Como criar um conteúdo relevante no seu Blog

Todo conteúdo é importante? Essa é uma pergunta que já me peguei muitas vezes fazendo.

Naturalmente, a importância de um contéudo tem muito a ver com o objetivo do seu site.

Se você quer fazer um blog como um diário, relevância e importância é aquilo que você considera interessante colocar pra fora da sua cabeça.

Já se o objetivo é adquirir mais clientes e se posicionar bem nas pesquisas do Google, o que é importante e relevante é bem diferente.

Nesse artigo vou supor que o seu objetivo com o seu site é que mais pessoas tenham a oportunidade de ler, assistir ou ouvir os seus conteúdos. Por isso, vou te explicar sobre alguns tipos de conteúdos que pode desenvolver para que seu alcance online seja potencializado.

“Vai falar sobre SEO?”

Não necessariamente. Esse artigo faz parte da nossa série Como Criar um Site e o próximo artigo é só sobre SEO. Nesse o objetivo é menos em técnicas para conseguir que pessoas acessem seu site e mais para que quando elas acessem o conteúdo seja bacana e as faça voltar.

Esse artigo faz parte da série Como Criar um Site. Uma série para iniciantes de como criar um site do zero.

1 – O que é um conteúdo relevante

Imagine que você está navegando na sua rede social preferida e aparece um link para uma notícia com o seguinte título:

Como ficar milhonário igual esse garoto de 22 anos

seu-site-de-noticias-ruins-favorito.com

Intrigado(a), você clica na notícia. Vamos ver três situações.

Situação 1: O conteúdo começa assim: “Garoto de 22 anos ficou rico e começou a utilizar nossa linha de produtos de beleza. A linha é inteiramente natural e vai te ajudar a completar seus objetivos na vida”.

Numa escala de 0 a 10, o quão relevante é esse artigo? Anota mentalmente e vamos para a próxima situação.

Situação 2: O conteúdo começa assim: “Garoto de 22 anos montou sua empresa assim que saiu da escola com um investimento de amigos do pai e acabou de vender seu negócio por 2 milhões de reais”.

Pensa novamente em uma escala de 0 a 10 o quão relevante é esse artigo e guarda o número.

Situação 3: O conteúdo começa assim: “Garoto de 22 anos começou sua jornada trabalhando como desenvolvedor junior em uma empresa de software, mas logo reparou que o produto que sua empresa desenvolvia levava seus clientes a também precisar de um outro produto. Largou o trabalho, buscou investimento com pessoas próximas, passou em alguns processos de aceleração de empresas de tecnologia e recentemente fechou a venda de sua startup para a própria empresa que trabalhava”.

Pensando nas três situações eu diria que a relevância de cada uma seria o seguinte:

  1. 0
  2. 4
  3. 8

Relevância, na forma como vejo, é a mistura de dois fatores:

  1. O quão bem o conteúdo entrega o seu próprio objetivo de existência. Isto é, o conteúdo entrega aquilo que ele prometeu? O conteúdo é aquilo que ele se propõe a ser?
  2. O conteúdo resolve o problema ou a expectativa do leitor?

Isso significa que um conteúdo pode ser exatamente aquilo que o/a autor(a) propôs que ele fosse e ser relevante para um certo público, mas ao mesmo tempo pode ser totalmente irrelevante para outras pessoas.

Até aí tudo bem. Mas não adianta atrair as pessoas que não vão achar seu contéudo relevante para o acessar.

A grande dica é pensar realmente em que tipo de conteúdo você quer criar e como esse conteúdo vai ajudar as pessoas que gostaria que o consumisse.

Voltando às situações, o título sugere que o conteúdo vai passar o como o garoto conseguiu ficar milhonário, mas na primeira situação ele usou o título apenas para chamar o clique e fazer propaganda de um produto de beleza que, por acaso, o menino usa.

Já no segundo caso, o texto até chega um pouco mais perto do tema e explica que o garoto recebeu um investimento porque os pais conheciam pessoas ricas e que investiram no projeto. Apesar de explicar como, é algo totalmente irreal para basear um plano de ação para o(a) leitor(a) que também quer ser milhonário. Dessa forma, o como ainda é muito distânte.

Por fim, o terceiro exemplo explora um pouco mais o caminho seguido pelo garoto para chegar aonde chegou. Ainda existem variáveis no processo, mas já começa a criar a ideia do como. Se você for perceptivo e tentar achar formas de ajudar os clientes do local que você trabalha, pode ser que tenha a ideia de um produto bacana que pode desenvolver. E ainda por cima, se tiver um bom relacionamento com a empresa que largou e o produto criado tiver afinidade, essa empresa pode até comprar sua ideia.

Conteúdos relevantes respondem às perguntas, necessidades e/ou vontades de quem os assiste, leem, ouvem, etc.

Vamos ver agora alguns formatos que você pode ser relevante através dos seus conteúdos.

Vale dizer que não importa muito a forma como deseja passar as informações ou experiências. Áudio, escrita ou vídeo são os mais comuns, mas existem outras e quem manda é você.

2 – Conteúdos Evergreen / Atemporais

Evergreen é uma expressão do Inglês que significa “Sempre verde” e já dá uma ideia do tipo de conteúdo que é esse.

Conteúdos evergreen são aqueles que trazem informações, questionamentos, reflexões, tutoriais, etc sobre determinado assunto atemporal.

Um artigo sobre a teoria do Big Bang é o tipo de artigo que não importa muito se foi escrito semana passada ou há 5 anos atrás. Provavelmente a diferença de informações sobre o assunto ou seus questionamentos são os mesmos.

No meu blog pessoal, Andrelug, eu crio artigos sobre desafios da vida como profissional autônomo e freelancer. Muitos dos desafios são os mesmos e provavelmente continuarão os mesmos por alguns anos. Esse tipo de conteúdo pode ser relevante hoje e daqui a 10 anos.

Quando você cria conteúdos evergreen, está criando algo que seu público pode consultar e se inspirar.

Não significa que conteúdos evergreen não podem ser atualizados. Inclusive é uma boa prática dar uma polida e atualização em artigos ‘definitivos’ para sempre os manter em boa forma. No entanto, continuam sendo o mesmo artigo, com o mesmo tema e propósito.

Via de regra, esse tipo de conteúdo tende a apresentar conteúdos que não estão atrelados a eventos pontuais ou notícias. Assim, quando você cria um conteúdo atemporal ele continua relevante não apenas para aquele momento, mas sim durante – potencialmente – anos.

Inclusive, por serem artigos que em geral dão retornos e atenção por mais tempo eles tendem a ser maiores e mais completos. Vale a pena gastar mais tempo produzindo um conteúdo que vai trazer mais visitas por mais tempo do que apenas durante um tempo específico.

3 – Conteúdos Pontuais / Temporais

Em contraste com o tipo de conteúdo anterior, os conteúdos pontuais tendem a atender uma necessidade de informação, reflexão, instrução ou questionamento temporal.

O tipo mais comum desse tipo de contéudo é a notícia. Uma notícia nos informa sobre algo que está acontecendo agora. Uma novidade.

Diferente de um artigo sobre o Big Bang, não faz sentido ler uma notícia escrita em 2008 – a não ser se tiver estudando história.

Além de notícias, análises críticas de momentos presentes, análises de produtos, locias e serviços ou tutoriais podem ser exemplos de conteúdos pontuais e temporais.

Uma análise de um jogo de video game tem mais relevância quando aquele jogo acabou de ser lançado. Não significa que não será relevante posteriormente, mas não é seu foco nem seu propósito de existência.

Uma vez que o ‘tempo de vida’ desse tipo de conteúdo é menor, sua qualidade e tamanho tendem a ser um pouco menores em comparação com artigos evergreen.

4 – Conteúdos Virais

Quis definir aqui um tipo de conteúdo como Conteúdo Viral pois, no meu ver, ele tem um propósito bem diferente dos demais.

Para um conteúdo ser viral, ele precisa ter algum apelo para o compartilhamento daquela informação. Afinal, viral é aquele conteúdo que uma boa porcentagem das pessoas que tem acesso àquele conteúdo querem também o compartilhar com outras pessoas.

Poucas pessoas vão compartilhar um informativo sobre as novidades de um blog pois não é algo que, em geral, mexe com nossas emoções.

Viralidade tem muito a ver com os sentimentos. Para um conteúdo ser viral ele precisa de algum apelo emocional. Curiosidade, medo, alegria, tristeza, status, orgulho, reafirmação, pertencimento, etc.

Conteúdos virais podem ser divertidos, informativos ou tristes, mas em geral estão em formatos que podemos rapidamente e facilmente os consumir.

Vídeos curtos, tweets, notícias que ninguém lê e só compartilha pelo título e por aí vai.

Viralidade não precisa ser generalista também. Algo pode se tornar viral dentro de um determinado nicho ou grupo.

Conclusão

Nesse artigo passei por alguns fatores que são importantes na criação de conteúdos relevantes.

Algo que é importante lembrar sempre é que relevância é aquilo que responde aos objtivos de quem está lendo, assistindo ou ouvindo seus conteúdos. Ao mesmo tempo, tem que ser algo que você faça sentido para você.

Relevância é para quem está produzindo o conteúdo e para quem o consome.

Como mencionado, esse artigo faz parte da nossa série de Como Criar um Site, então aproveite para conhecer os outros textos.

Me conta também o que você achou do artigo nos comentários abaixo.

Divirta-se!

Gostou do artigo?

Share on facebook
Facebook
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
André Lug

André Lug

Apaixonado por design e desenvolvimento de websites. De vez em quando gosta de escrever sobre produtividade, como é ser um freelancer e algumas reflexões da vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou?

Junte-se às mais de 2 mil pessoas que acompanham as novidades no mundo do design e desenvolvimento web!